Sistema CCO garante resultados excepcionais

A Mentalidade

O objetivo do sistema CCO™ é enfatizar o tratamento focado na finalização dos casos, permitindo atingir resultados planejados com antecedência. Uma excelente mecânica de tratamento deve permitir que o ortodontista execute o tratamento ideal na maioria dos pacientes, da maneira mais simples e eficiente, maximizando um fator frequentemente negligenciado: o tempo.

*Casos detalhados completos podem ser vistos no Manual CCO

Se você tiver interesse em conhecer melhor o Sistema CCO,
visite nosso site e faça o download de nosso sumário gratuito do capítulo 1,
Princípios e Manual Técnico

A Mecânica

A prescrição CCO foi desenvolvida para aproveitar completamente a vantagem da interação entre bráquete e arco ortodôntico, através de clipes interativo e fios modernos para que se possa atingir a posição ideal dos dentes no final do tratamento. A prescrição CCO mostra como melhorar a eficiência e o controle para obtenção de resultados previsíveis.

Estudo de Caso 1 • Duração do tratamento: 15 meses (tratado pelo Dr. Secchi)

Mulher de 20 anos de idade com mordida aberta anterior e mordida cruzada posterior unilateral. Foi utilizada uma combinação de bráquetes In-Ovation C e In-Ovation R para nivelar e alinhar, para aplainar o plano oclusal e coordenar os arcos.

As fotos intraorais iniciais mostram a mordida aberta anterior e a mordida cruzada unilateral posterior do lado esquerdo. Observe como o plano oclusal do maxilar diverge do plano oclusal mandibular.

In-Ovation C no arco superior e R no arco inferior, ambos com arcos .014” Sentalloy. O alinhamento inicial foi realizado em 6 meses por meio de uma sequência de dois arcos ortodônticos: .014” Sentalloy e .020”x.020” BioForce. A mordida cruzada posterior foi corrigida com uma barra transpalatina.

Caso concluído. Classe I de molares e caninos foi alcançada assim como normalizados overjet e overbite. Ambos os arcos maxilar e mandibular são coordenados para a obtenção do overjet ótimo de segundo molar à segundo molar.

Estudo de Caso 2 • Duração do tratamento: 20 meses (tratado pelo Dr. Secchi)

Menino de 14 anos de idade com canino em infra-vestíbulo versão, relação molar alterada e desvio de linha média. In-Ovation ‘R’ foi usado com extrações dos primeiros pré-molares superiores e segundos pré-molares inferiores. Foi utilizada uma mecânica de ancoragem mínima.

As fotos intraorais iniciais mostram o canino maxilar direito posicionado ectopicamente, a relação de molares e caninos em Classe II e linha média dentária superior desviada para a direita.

Bráquetes In Ovation R nas arcadas superior e inferior com arcos .014”Sentalloy. O alinhamento inicial foi realizado em 7 meses por meio de uma sequência de três arcos ortodônticos: .014” Sentalloy .018” Sentalloy .020”x.020” BioForce.

Caso concluído. Intercuspidação adequada, molares e caninos em relação de Classe I com sobressaliência e sobremordida apropriadas. Uma mecânica de ancoragem mínima permitiu a manutenção da inclinação dos incisivos superiores e inferiores durante a protração dos molares inferiores para uma relação de classe I.

Estudo de Caso 3 • Duração do tratamento: 30 meses (tratado pelo Dr. Secchi)

Menina de 12 anos de idade com mordida profunda, caninos em classe II e apinhamento dentário. Foram utilizados bráquetes In-Ovation R para nivelamento e alinhamento, alinhamento do plano oclusal maxilar e mandibular e promoção do torque adequado aos incisivos superiores. Elásticos curtos de classe II foram usados no estágio de trabalho.

As fotos intraorais iniciais mostram a gravidade da mordida profunda, a mordida cruzada vestibular do lado direito e caninos em relação de Classe II. Observe a falta de inclinação dos incisivos superiores. Para nivelar o plano oclusal mandibular, deve-se obter uma inclinação apropriada dos incisores superiores.

Em razão da mordida profunda severa, o arco superior recebeu bráquetes In Ovation R e arco .014” Sentalloy para nivelar, alinhar e proclinar os incisivos superiores a fim de criar espaço para nivelar e alinhar o arco inferior. O Estágio 2 incorporou fios de Aço Inoxidável de .019” x .025” superior e inferior, arco ortodôntico inferior com curva reversa de Spee e elásticos curtos de classe II.

Caso concluído. Observe a intercuspidação adequada, molar e canino de classe I e sobressaliência e sobremordida apropriadas.

Utilização de um alinhador estético termoplastificado previamente ao tratamento restaurador

Por que é importante?

Muitas vezes os pacientes nos procuram com a queixa de “fechar os espaços entre os dentes”, sejam estes por recidivas ortodônticas ou características dentárias individuais, porém, quando analisamos clinicamente os diastemas, eles podem estar mal distribuídos ou concentrados em um único local, ficando um espaço interdental muito grande, o que pode inviabilizar a intervenção restauradora imediata.

Os pacientes que se encaixam nesse quadro muitas vezes ficam descontentes com a ideia de ter de usar (ou voltar a usar) um aparelho ortodôntico convencional, e por isso alternativas podem ser utilizadas para solucionar o problema. O conceito MTM ( minor tooth movement ) com aparelhos termoplastificados já existe de longa data na literatura e não teve evolução científica significante até meados da década de 90.

Sheridan propôs a lógica de tratamento com alinhadores, que seria composto de três elementos básicos: espaço, tempo e força. Os três juntos fariam a produção do movimento dental. O espaço seria o compreendido entre a placa e o dente, para onde o elemento dental se deslocará após a força ser aplicada sobre ele em determinado espaço de tempo. Posteriormente, o Dr. Sheridan e o Dr. Hilliard desenvolveram um protocolo de movimentação dentária usando diversos termoalicates, os quais provocam um abaulamento nos alinhadores que transmitem força aos elementos dentários, causando uma resposta de movimentação para as regiões de alívio entre os dentes e o alinhador.

Esse sistema de “bolha-abaulamento” para movimentação dentária2 está presente no protocolo Essix Clear Aligner (Dentsply, EUA). Com essa técnica rapidamente é possível fabricar em consultório um alinhador estético termoplastificado para movimentar os dentes e distribuir os diastemas conforme planejado para futuro tratamento restaurador estético. Essa maneira, geralmente, é muito mais bem aceita pelo paciente, pois acaba sendo um tratamento rápido e com um aparelho ortodôntico transparente, removível, de fácil higiene e adaptação, muito procurado como alternativa de tratamento ortodôntico para pacientes que preconizam a estética.

O que é necessário?
  • Moldeiras
  •  Alginato
  • Gesso do tipo IV
  • Termoplastificadora a vácuo
  • Plástico Essix ACE 0.35 (Dentsply, EUA)
  • Essix Freeze Spray ou similar (Dentsply, EUA)
  • Qualquer instrumento com ponta ativa fina não cortante (ex.: aplicador de amarrilho elástico, sondas e esculpidores)
  • Kit de Termoalicates de Hilliard (Dentsply, EUA)
  • Polidores para alinhadores em peça de mão reta: escova resinada e rodinhas scotch-brite
  • Maçarico ou lamparina
  • Termômetro digital
  • Resina fluida ou similar
Como fazer?

A fabricação dos alinhadores no sistema Essix Clear Aligner (Dentsply, EUA) foi descrita por Sheridan, Hilliard e Armbruster em diversos artigos entre os anos de 1997 e 2003. Outros autores, como Spranley, Morris e Abadie, também relataram o passo a passo do processo e suas aplicações nos anos de 2004 e 2005.

Segue abaixo a sequência de confecção de um alinhador termoplastificado feito em consultório. Após a avaliação clínica e o planejamento do caso deve-se moldar o paciente com alginato e confeccionar o modelo de trabalho com um gesso do tipo IV.

Na sequência deve-se fazer o recorte do modelo logo acima do contorno gengival. Utilizando uma resina fluida (Fluroshield, Dentsply, EUA), deve-se criar regiões de alívio no modelo para os dentes se movimentarem dentro do alinhador (Fig. A). Alguns autores recomendam criar o alívio com escultura em resina composta, acrílico ou triad gel (material americano da Dentsply que é fotopolimerizável e feito para criar alívios, planos de mordida e esplintagens), porém a escolha não influencia no resultado, e cabe ao ortodontista decidir qual a melhor opção.

Na sequência, deve-se primeiramente pré-aquecer a plastificadora a vácuo e posicionar o modelo em sua base. Com ela aquecida, move-se a fonte de calor sobre o plástico Essix ACE 0.35 e aguarda-se que ele desça até 1/2 ou 3/8 da altura. Então se pode acionar a máquina e deixá-la em funcionamento por aproximadamente 20 segundos. Durante esse tempo deve-se pressionar as ameias dentárias e sulcos com a ponta ativa de qualquer instrumento fino, com a intenção de aumentar a retenção.

Na sequência se deve rapidamente aplicar o spray Essix Freeze sobre a placa, para causar um imediato resfriamento e contração dela, melhorando ainda mais a adaptação sobre o modelo (Fig. B1-B3). Após remover o alinhador do modelo, faz-se o recorte e polimento de suas bordas (Fig. C).

Deve-se aquecer a ponta ativa do termoalicate mésio-distal (Fig. D1) até a temperatura no termômetro digital marcar aproximadamente 95110 °C (Fig. D2). Logo após, rapidamente se posiciona o alicate na região interproximal do dente a ser movido e faz-se a ativação no alinhador por vestibular e por lingual, criando duas bolhas internas no alinhador. (Fig. D3)

Essas bolhas irão pressionar a região interproximal por vestibular e por lingual, provocando uma resultante de força que vai distalizar ou mesializar o elemento dentário em direção ao alívio, de acordo com o planejamento do ortodontista (Fig. D4). Ao inserir o alinhador em boca, deve-se verificar se há áreas de isquemia gengival. Caso haja, deve-se aliviar o alinhador por meio de desgastes em sua borda, e também avaliar se houver sobra na borda incisal dos dentes.

Se isso ocorrer, é indicado fazer exercícios de compressão das arcadas para que o alinhador se adapte nas horas seguintes, otimizando o movimento dentário. As ativações mésio-distais devem ser feitas progressivamente, em consultas quinzenais, checando sempre a retenção do alinhador e aumentando-a, se necessário, nas regiões interproximais com o termoalicate “undercut” (Fig. E).

Após três ou quatro ativações no mesmo local, é indicado repetir as etapas para confeccionar um novo alinhador. Uma paciente veio à clínica com a queixa de ter os incisivos laterais muito pequenos e também gostaria de fechar os espaços nas distais dos caninos. Foi proposto um tratamento com alinhador para distalizar os caninos e distribuir os diastemas entre os incisivos, para então realizar um tratamento restaurador anterior estético.

Observe a Figura E1, com o alinhador em boca, exemplificando as regiões de ativações e alívios para a distalização dos elementos 13 e 23. Após 15 dias de uso, verificamos (Figura E2) o surgimento do diastema na distal do incisivo laterossuperior. Continuando com essa mecânica de movimentos mésio-distais com alinhadores, será possível dissolver os diastemas que estavam concentrados nas distais dos caninos e harmonizá-los entre os incisivos centrais e laterais, para então escolher o tratamento restaurador estético juntamente com o paciente. Quando os diastemas estiverem bem distribuídos será indicada uma avaliação final da oclusão, pois podem surgir contatos prematuros.

Caso isso aconteça, deve-se fazer um ajuste oclusal, para então prosseguir com o planejamento restaurador estético, fechando os diastemas anteriores.

Considerações finais

Como mostrado nesta dica, essa técnica com o Essix Clear Aligner é de grande valia na prática clínica do ortodontista para casos de pequenos movimentos dentários. Podemos listar algumas vantagens: grande aceitação dos pacientes; fácil confecção, evitando a terceirização do produto e, assim, aumentando a lucratividade do profissional; removível e de fácil higiene; transparente, para manter a estética durante o tratamento; consultas rápidas; não causam efeitos colaterais de movimentação indesejada nos outros dentes; tratamento rápido.

Referências

1. Sheridan J. The physiological rationale for airrotor stripping. J Clin Orthod. 1997;31(2):109-12.
2. Sheridan J, Hilliard K, Armbruster P. Essix appliance technology: applications, fabrication, and rationale. GAC International; 2003.
3. Hilliard K. The hilliard smile aligner manual. New Orleans: Raintree Essix LLC; 2002.
4. Morris A, Abadie F. The multipurpose use of Essix thermoformed appliances. Oral Health. 2004:94.
5. Rinchuse D, Rinchuse D. Active tooth movement with Essix-based appliances. J Clin Orthod. 1997;31(2):109-12. 6. Spranley T. Minor tooth movement technology: Part 4: closing extraction spaces and diastemas. Spectrum. Fall 2005.

Guilherme Nakagawa Santos
Cirurgião-dentista UFPR
Especialista em Ortodontia PUC-PR Residência em Ortodontia Estética ABOL – UnicSul-SP
nksodontologia@hotmail.com
www.nksodonto.com.br

A importância do conhecimento do perfil comportamental na odontologia

“Trate as pessoas como você gostaria que fosse tratado!”

Certamente você já ouviu esta frase antes, não é mesmo? E na sua concepção, isto é certo ou errado?Como sabemos,  as pessoas não são iguais, sendo assim, é no mínimo  interessante que você as trate como elas merecem ou gostariam de  ser tratadas. Segundo Willian Moulton Marston, Doutor em Psicologia de Harvard e criador da personagem “Mulher Maravilha”, estamos distribuídos universalmente em 4 perfis : Dominante, Influente, Estável e Conforme (DISC). Conhecê- los  é de fundamental importância:

Dominante:  Comportamento mais dominante, rápido, ousado, e competitivo. Orientado para ação e para os prazos envolvidos

Influente : Comportamento mais comunicativo e amigável, descontraído. Orientado para as pessoas e com tendência a influenciá-las.

Estável: Comportamento mais estável, paciente e conciliador. Orientado para buscar o equilíbrio e a harmonia nos relacionamentos e ambientes.

Conforme: Comportamento mais cauteloso, exigente e detalhista. Orientado para fazer as coisas com precisão e qualidade.

O autoconhecimento do perfil comportamental tem inúmeras importâncias,  tais como: reconhecer seus pontos fortes e pontos a melhorar, os valores que o motivam, seu estilo de liderança, pontos de estresse, assimilar informações e fazer escolhas. Não menos importante é perceber e/ou reconhecer o perfil comportamental do outro; facilita a identificação dos pontos fortes e fracos, direcionamento da pessoa certa para cada tarefa, uma melhora significativa nas relações interpessoais e maior efetividade em nossa comunicação. Na Odontologia, em termos práticos do nosso dia a dia de Clínica ou consultório, o que ganhamos com isso?

  • Diminuição das chances de erros em nossas contratações (perfil certo para a função pretendida)
  • Só de compreender o perfil comportamental do cliente, um aumento imediato de30% nos fechamentos das avaliações e satisfação dos mesmos.
  • Ganhos notáveis nas relações interpessoais com a equipe, tanto entre os pares quanto do Líder/Gestor e liderados.
  • Aumento da positividade no clima organizacional

Mediante todas essas considerações, abrace esse diferencial e amplie seus horizontes…Muito Sucesso!!!

Rodrigo Ribeiro / CRO-MG 18982
Pós graduado em Ortodontia e Ortopedia facial dos Maxilares –  ABO-Pouso Alegre/MG
Pós Graduado em Gestão estratégica em Marketing – PUC/MG
Master Practitioner em PNL – IBRAPNL
Master Coach – FEBRACIS
Analista de Perfil Comporamental  CIS ASSESSMENT – FEBRACIS

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google